Medos

Hoje em uma agradável conversa ao telefone me veio à mente uma frase: “Medos todos temos, a forma como lidamos com eles é que determina quem somos”.
Inspiração repentina?
Talvez, mas tenho refletido um pouco sobre isso nos ultimos tempos.
Temos medos de tantas coisas, as vezes tão bobas, mas por outro lado somos tão corajosos em certos momentos, chega a ser estranho tamanha divergência.
Pense por exemplo na mãe que ao ver uma pequena barata, foge desesperada, sobe em uma cadeira e grita como louca, mas no mesmo dia, a mesma mãe, vê seu filho debaixo de uma pesada estante que foram necessários dois homens fortes para carregar, e esta mãe, esta mesma mãe que desespera ao ver uma barata, levanta a estante e salva sua criança.
Lembro-me também de uma ilustração que meu pai sempre gosta de contar que diz sobre uma mãe que tinha suas mãos deformadas. Um dia, incomodada porque seus amigos sempre riam de sua mãe, a criança questiona a mãe o porque das marcas em suas mãos. A mãe com um sorriso no rosto responde que um dia quando ela era bem pequenininha ela estava perto do fogão e de repente ao esbarrar no fogão uma pesada panela caiu, e poderia tê-la matado, não fosse a mãe, que sem se importar com o calor segurou a panela, custando-lhe a beleza de suas mãos, mas tendo como recompensa a vida de sua filha. A criança a partir daquele dia passou a amar aquelas marcas. (O autor da história, ou o personagem, se real, que me perdoe por alguma falta)
A mãe enfrentou o medo de queimar a mão para salvar sua filha.
Ao refletir sobre o medo, torna-se inevitável que eu reflita sobre Cristo, se pararmos pra analisar direitinho sua linda história veremos que ele teve medo, Ele que mesmo sabendo de toda a história, sabendo desde sempre, que iria morrer e ressuscitar, Ele ainda assim teve medo?
Sim teve medo e disse: “Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua.” (Lucas 22:42)
Mas porque Cristo, mesmo sabendo que iria ressuscitar teve medo? Porque Ele sabia que no momento que o seu corpo fisíco aqui morresse, ele seria desligado do Pai, um desligamento minímo que fosse, talvez, miléssimos de segundos, mas uma separação que doeria mais qualquer espinho, qualquer lança ou prego.
Ainda assim, mesmo com tanto medo, Ele se dispôs a enfrentar este sentimento tão forte, e que em muitos casos nos incapacita, e cumprir a sua missão para que pudéssemos viver. Tal qual a mãe que citei no início, que sacrificou-se pra salvar seu filho, Cristo sacrificou-se, mas não apenas por UM, mas por toda a humanidade.
Com toda essa história, aprendemos duas lições, primeiro uma que de tão escondidinha no meio do texto lhe tenha passado despercebida. A única coisa que Jesus teve medo foi de se desligar do Pai. Já pensou nisso? Ele não teve medo das lanças, das humilhações, dos pregos, dos xingamentos. Ele não teve medo do Diabo que lhe apareceu no deserto, nem sequer importou-se em ficar 40 dias sem comer. Apenas teve medo de desligar do Pai, ainda que por tão pouco tempo, Ele teve medo. E nós? A cada dia nos desligamos do Pai com uma facilidade tão grande que me assusta, e quando digo nós estou me incluindo ai também. Desligamo-nos de Deus nos estudos, no namoro, na frente da televisão, no computador, e tantas outras coisas que, não apenas por um segundo, mas por horas inteiras, nos desligam e nos afastam do Pai.
Segunda lição: Tal qual falei na frase que inspirou todo esse fluxo de palavras aqui, nossa atitude frente aos medos é que determina quem somos. Jesus, ao enfrentar Seu medo, tornou-se o Salvador de toda a humanidade. A mãe quando segurou a panela quente, tornou-se a salvadora de seu filhinho.
Cada medo que enfrentamos, nos torna algo novo, algo que só conheceremos quando enfrentarmos.
E você quais medos vai enfrentar hoje?

(imagem de Kriss Szkurlatowski )

6 thoughts on “Medos

  1. Tenho que parabeniza-lo todas as vezes suas mensagens tao tocantes no seu site… Todos nós temos medo, mas se não os enfrentarmos como Jesus fez ficaríamos presos na escuridão!

Deixe uma resposta